DASH*Inspirações

VESTIDOS QUE REVOLUCIONARAM O MUNDO

Olá leitores! Como estão? Esse é o terceiro post da nossa série aqui no blog sobre – Os vestidos que Revolucionaram o Mundo. Se você perdeu o primeiro ou segundo post, clique para conferir! Inspirações e referências retiradas do livro MUSEUM, Design “Cinquenta Vestidos Que Mudaram o Mundo”

  • VESTIDO DA COLEÇÃO MOON GIRL

Em Paris, André Courrèges se inspirou nas estrelas para inventar o estilo da era espacial que atravessou o Canal da Mancha para causar um “Big Bang” em Londres e além. O futuro era a minissaia, que Courrèges inventou nos anos 1960. As roupas do estilista francês eram ousadas celebrações das mudanças tecnológicas e sociais, e muitas vezes incluíam modernos tecidos sintéticos como o plástico e poliuretano.

  • VESTIDO MONDRIAN  

Este vestido de Yves Saint Laurent é uma outra interpretação do mundo moderno, mas desta vez usando a estética da teoria da arte, em vez do look da tecnologia da ficção científica associado a André Courrèges. O estilista fez uma leitura das obras do artista Piet Mondrian, buscando igualar o trabalho do estilista ao de um artista. O desenho geométrico foi construído com painéis de tecido colorido e com emendas que foram propositalmente colocadas para esconder as curvas do corpo. O resultado foi uma afirmação gritante de ordem e simplicidade que trouxe o estilista para os reinos da escultura e da arte conceitual. Agora, moda poderia também ser arte.

  • MINIVESTIDO

Ainda num contexto pós guerra, a juventude londrina da década de 1960 estava mais que pronta para adotar um estilo super moderno. A irreverência dos jovens atingiu as ruas cinzenta e sombrias da capital com cores fortes e contornos modernos, evidentes nas roupas radiantes de Mary Quant. Influenciada pelo trabalho de Courrèges, Mary Quant encurtou ainda mais a barra das saias. O estilo provocante e revelador foi recebido com entusiasmo pelas meninas mais moderninhas que procuravam algo original e jovem para usar. Embora inicialmente custasse caro, a simplicidade do minivestido fez com que ele fosse ideal não apenas para a produção em massa, mas também para ser feito em casa. Esse look foi uma declaração de independência, diversão e liberdade contra as incertezas do mundo pós nuclear. Ninguém conseguia parar o minivestido: ao final da década, até mesmo as saias da rainha estavam mais curtas.

  • VESTIDO DE DIANA RIGG EM OS VINGADORES

Inteligente, bonita e independente, a personagem Sra. Peel, de Os vingadores, era um novo exemplo para a mulher emancipada da década de 1960. A estilosa série de espionagem (1961-1969) fazia muito sucesso e já havia lançado uma heroína forte e autoconfiante: a antecessora de Peel, Dra. Cathy Gale. Agora que Diana Rigg estava no páreo, as apostas subiram e a personagem se vestia com roupas muito mais ousadas.

  • MAXI VESTIDO DE ALGODÃO DE LAURA ASHLEY

Com a introdução do maxi vestido em 1966, a estilista galesa Laura Ashley (1925-1985) popularizou uma estética anti moderna e nostálgica que duraria até os anos 70 e além. Mais uma vez havia mudança no ar, e o que estava fermentando na época era uma reação contra a modernidade impetuosa e as tendências descartáveis que haviam dominado a década.

Laura Ashley buscou, no passado vitoriano da nação, inspiração para desenhar vestidos que evocavam tempos mais simples e inocentes. Além disso, ela foi uma das primeiras estilistas a oferecer todo um estilo de vida, criando uma linha de móveis para casa que completou a imagem de conforto e sossego caseiros.

Espero que estejam gostando dessa série!

Abraços e até a próxima.

Join the discussion

  1. Pingback: VESTIDOS QUE REVOLUCIONARAM O MUNDO - Dash Uniformes DASH*Moda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.